quarta-feira, 22 de abril de 2009

Da arte de ser um mod


Lendo então o post de uma amiga virtual, que por sinal escreve muitíssimo bem, tive uma "espécie" de idéia para um novo post: a arte de ser um mod.
Não vou escrever aqui a definição de MOD como subcultura, pois acho que isso deve estar meio claro para a gurizada que acompanha o blog. Mas no caso contrário, é sempre bom dar uma pesquisadinha básica no wikipedia ;)
Ser modernista é uma arte. Acho que os modernistas contemporâneos se diferem muito daqueles que inciaram o movimento. Muita coisa mudou, já lá se vão quase 50 anos entre um em e outro.
Uma das coisas que eu gosto de pensar é que os modernistas de hoje já se livraram do ranço de manter a imagem acima de tudo. Já nos livramos da tríade música-roupa-scooter. É claro que ainda tem gente que pensa assim, e como eu escrevi no post sobre as lições básicas do mod wannabe, para muita gente imagem ainda é tudo.
Falemos de outra forma. Tu me pega no meu quarto lendo tranquilamente uma edição de "Minha Luta", livro escrito pelo próprio Adolf Hitler. Tu vai me rotular nazista pelo ato? Obviamente que não. Assim deveria ser com o modernismo.
O modernismo com o passar dos anos ganhou uma amplitude muito grande, ganhou vários significados, por isso é tão difícil pra mim responder "Por que sou modernista?"
Sem querer parecer hipócrita ou qualquer coisa do gênero vou logo dizendo: eu, como todo ser humano, também passei pelo frescor juvenil de querer fazer parte de algo, de me sentir socialmente aceita. Mas por que o modernismo?
Sou uma apaixonada por cultura dos anos sessenta. Acho que foi uma época de ouro entre tantas, onde foi produzida muita música boa, muito filme bom. Onde a síntese de tudo o que foi bem feito foi reunido numa década. Quem me conhece pessoalmente sabe também que sou beatlemaníaca doente. Ora pois, onde mais eu poderia reunir todas as minhas paixões sem parecer um ser de outro planeta? No modernismo, claro.
O modernismo é a sub cultura que vem mais a calhar com a minha personalidade. Isso soa horrores de falsidade, mas em momento algum me tornei mod porque o filho da vizinha também era. Eu virei mod porque me identifiquei com tudo isso desde o primeiro momento. Além do mais prefiro dizer que sou modernista, do que dizer que sou uma anarco-punk e nunca ter lido sequer uma obra do Bakunin (isso é feio, isso é muito feio, vocês são crianças muito más, hein?)
Aliás, é algo estranho isso. Eu moro na maior cidade do interior do meu Estado, ela tem quase meio milhão de habitantes, é um polo metal-metalurgico para onde vem pessoas do estado e do país inteiros, recebeu do Ministério da Cultura o título de "Capital da Cultura 2008" e ainda assim o modernismo não é difundido. Vamos combinar que o Rio Grande não tem sido o solo mais fértil para a difusão do modernsimo.
O modernismo é inexpressivo no RS, posso dizer com convicção. Se tivesse um censo que fizesse a contagem de quantos modernistas, skinheads, punks ou patricinhas existem no Estado, estaríamos de fora.
Agora, o que é ser modernista? Não é um rótulo como ouvi um menino que se intitula "mod em formação" dizer. Somos uma família. Trabalhamos, estudamos, às vezes fazemos as duas coisas juntas. Somos politicamente conscientes. Gostamos de ouvir as famigeradas músicas de pai, somos retrolóides. Preferimos roupas com modelagem diferente, com corte diferente por acharmos mais elegante nos vestir de tal maneira. Somos revivalistas, nunca saudosistas! Orra, tenho apenas 23 anos, como posso ser saudosista de uma época que nem vivi?! Mas acima de tudo não somos adeptos de modinhas.
Se quiserem achar que os modernistas são um bando de bobalhões que pensam que o mundo é uma bola de chiclete mascada na década de 1960, tudo bem. Podemos ser bobalhões, mas somos bobalhões com consciência.
Muitas vezes me pego desiludida com o movimento e com os rumos que ele anda tomando, por causa de pessoas que difundem erroneamente o modernsimo, mas continuo mantendo a fé, e apesar de tudo tentando abrir a minha cabeça para pessoas que fazem parte de "tribos" diferentes da minha. Tudo pela paz mundial.
Até o próximo post, galere.

3 comentários:

  1. Hum..não comentando ao post mas sim, ao blog em geral. Tá muito massa. Os textos estão muito bem escritos, parabéns!
    Já está nos meus favoritos, com certeza!
    Um beijão!^^

    ResponderExcluir
  2. mais um belissimo post, tirando a citação do livro "Minha Luta", não tenho nenhuma curiosidade de saber o que o lixo do Hitler pensava...rs (as ações falam por si!)

    na questão de sociabilizar atraves da cultura Mod, isso eu perdi a muito tempo, sou um solitario na cena curitibana, e estou amando isso.... não quero ver pessoas se dizendo Mod por aqui, falando bobagens e criando modinhas, melhor assim, eu conheço a verdade e me basta como compania!

    bem, otimo restinho de semana
    bjones
    André Mod

    ResponderExcluir
  3. Pêni... ehhehee

    nada não.

    Petty!
    eu ainda vou no wikipedia, mas conviver contigo é aulas de mod. diárias!
    apesar de eu não ser [o que será que eu sou além de retirante?], adoro o seu ser! [que lindo né?!] hahah

    beijos janee.. opz!

    ResponderExcluir

Mesmo com a moderação de comentários, use seu bom senso. Caro (a) anônimo (a), por favor, identifique-se no comentário!