terça-feira, 23 de novembro de 2010

Swinging London


Swinging London era o termo usado para representar a efervescência cultural de Londres na segunda metade da década de 1960 coroada pela melhora econômica da Europa, principalmente da Grã-Bretanha pós-2ª Guerra Mundial.

O termo Swinging, com a conotação de arrojado, moderno, foi usado pela primeira vez por Diana Vreeland, jornalista de moda e editora da Vogue na época. Sua declaração foi a de que Londres era a cidade mais vibrante e avant-garde do mundo. Ao mesmo tempo, em 1965, a revista TIMES associou Londres ao termo em um editorial publicado em sua revista. Houve também o lançamento de uma rádio pirata muito popular entre os jovens, a Swinging Radio England.

A partir do lançamento de artistas britânicos tais como The Beatles, The Rolling Stones, The Who, Lulu, entre outros que caracterizaram a invasão britânica e de artistas cinematográficos como Sean Connery na pele do Agente 007, de Michael Caine intepretando Alfie, o Sedutor, Londres mostrava uma nova vanguarda na música e na representação.

Na moda, Mary Quant idealizava novos looks com a minissaia, enquanto as ruas Carnaby Street e King's Road eram o ponto de encontro dos fashionistas da época. Twiggy, Verushka e Jean Shrimpton era os rostos mais fotografados por David Bailey (inspirador do personagem David Hemmings de "Blow up - Depois daquele beijo").

Após a vitória britânica na Copa de 1966, a Union Jack, bandeira da Grã-Bretanha, passou a ser moda entre os jovens, sendo usada em casacos, saias, vestidos e até mesmo lingeries.

Um comentário:

Mesmo com a moderação de comentários, use seu bom senso. Caro (a) anônimo (a), por favor, identifique-se no comentário!