quarta-feira, 30 de novembro de 2011

The British Invasion - History Of British Rock (4 of 9)

Alguém já parou para pensar como uma geração criada no Pós-Guerra, que só podia absorver a cultura norte-americana (que imperava naquele momento) podia fazer algo tão original e espetacular? A influência do blues e de outros ritmos negros é clara, porém com o mérito de trazerem suas próprias vivências musicais e características, os jovens ingleses jamais poderiam ser passados para trás com todo este talento.



01. The Yardbirds - Shapes Of Things
02. The Kinks - A Well Respected Man
03. The Hollies - Stop Stop Stop
04. Billy J. Kramer & The Dakotas - Trains And Boats And Planes
05. The Zombies - Whenever You're Ready
06. The Spencer Davis Group - Keep On Running
07. Donovan - Universal Soldier
08. Ian Whitcomb - You Turn Me On
09. Gerry & The Pacemakers - Ferry Across The Mersey
10. Gimme Some Lovin' - The Spencer Davis Group
11. The Hollies - Pay You Back With Interest
12. Manfred Mann - Pretty Flamingo
13. The Thoughts - All Night Stand
14. Peter & Gordon - Lady Godiva
15. The Zombies - Just Out Of Reach
16. The Creation - Painter Man
17. The Seekers - Georgy Girl
18. The Sorrows - Take A Heart
19. The Troggs - With A Girl Like You
20. Peter & Gordon - Woman


Espero a visita de vocês amanhã!! Mantenham a fé!

terça-feira, 29 de novembro de 2011

10 anos sem George Harrison

Hoje, exatamente há 10 anos perdíamos George Harrison. O beatle mais novo talvez não tivesse tido muito espaço ou brilhado tanto dentro da banda, mas é inegável o seu carisma e suas mensagens de amor e paz. Há dez anos perdemos um grande artista, mas não perdemos a capacidade de apreciar sua música e sua arte. E escutar George Harrison é sempre uma aventura cheia de boas surpresas, com a garantia de grandes descobertas.

'George Harrison inspired love and had the strength of a hundred men. The world is a profoundly emptier place without him.' - Bob Dylan

"The Quiet One" - Paul Lovering

The British Invasion - History Of British Rock (3 of 9)

Olá, leitores! Continuando com a coletânea, hoje trago para vocês o 3º volume. Eu poderia falar de cada artista separadamente, mas isso deixaria o post enorme. Quero chamar a atenção de vocês para o estilo musical típico da British Invasion, que se difere bastante da música que era produzida nos Estados Unidos. Não estou falando do sotaque, que musicalmente não fica tão óbvio, falo dos arranjos instrumentais hiper trabalhados e das letras, sempre fofas, românticas e pueris. Bem diferentes de muitas letras sacanas e gritadas nos vocais das bandas norte-americanas. Bóra curtir?


01. The Searchers - Love Potion Number Nine
02. Gerry & The Pacemakers - It's Gonna Be Alright
03. Billy J. Kramer & The Dakotas - From A Window
04. Chad & Jeremy - Willow Weep For Me
05. The Ivy League - Tossing & Turning
06. Manfred Mann - Sha La La
07. The Kinks - Tired Of Waiting For You
08. Sounds Incorporated - In The Hall Of The Mountain King
09. The Seekers - I'll Never Find Another You
10. The Action - I'll Keep Holding On
11. The Hollies - Bus Stop
12. The Zombies - She's Coming Home
13. The Troggs - Wild Thing
14. The Yardbirds - I'm A Man
15. Peter & Gordon - True Love Ways
16. The Creation - Making Time
17. Freddie & The Dreamers - Do The Freddie
18. Peter & Gordon - I Go To Pieces
19. Donovan - Colours
20. The Zombies - I Remember When I Loved Her


Até amanhã e mantenham a fé!

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Morre o diretor da ópera-rock Tommy


Morreu neste domingo, aos 84, o diretor inglês Ken Russell.

Conhecido por sua indicação ao Oscar de 1970 na categoria de melhor diretor e por seu trabalho ao longo de 40 anos no cinema e na televisão, Russell é lembrado por sua direção da adaptação cinematográfica da ópera-rock Tommy (1970), baseada em álbum do The Who.

Além deste, outros trabalhos de destaque do diretor são Mulheres Apaixonadas (1969), The Devils (1971) e Viagens Alucinantes (1980).

As causas da morte não foram divulgadas.

The British Invasion - History Of British Rock (2 of 9)

Como alguns leitores posteriormente vão notar, esta coletânea não possui faixas dos Beatles (exceto "Ain't She Sweet") e dos Rolling Stones, e como alguns muitos outros leitores notarão também, a riqueza deste trabalho é tanta, que muitas vezes a falta acaba passando despercebida.

Com a plena certeza de que a importância destas duas bandas (muitas e repetidas vezes consideradas "As melhores do mundo") é indiscutível dentro do cenário atual e mundial da música, acho importante colocar aqui que estes 9 volumes são meramente um apanhado geral deste fenômeno e não a versão final de qualquer apanhado musical que trate das bandas da época.



01. The Kinks - All Day And All Of The Night
02. Manfred Mann - Do Wah Diddy Diddy
03. Peter & Gordon - To Know You Is To Love You
04. Billy J. Kramer & The Dakotas - I'll Keep You Satisfied
05. Gerry & The Pacemakers - I Like It
06. Chad & Jeremy - A Summer Song
07. Swinging Blue Jeans - Good Golly Miss Molly
08. The Roulettes - Bad Time
09. The Searchers - Don't Throw Your Love Away
10. Donovan - Catch The Wind
11. The Rockin Berries - Poor Man's Son
12. The Yardbirds - Heart Full Of Soul
13. Cilla Black - You're My World
14. Peter & Gordon - I Don't Want To See You Again
15. The Ivy League - That's Why I'm Crying
16. The Hollies - I'm Alive
17. Freddie & The Dreamers - You Were Made For Me
18. The Zombies - Tell Her No
19. Gerry & The Pacemakers - I'll Be There
20. The Zombies - I Love You


Espero vocês neste mesmo horário amanhã! Mantenham a fé!

domingo, 27 de novembro de 2011

The British Invasion - History Of British Rock (1 of 9)

Começando com os especiais de fim-de-ano, trago a partir de hoje esta coletânea especial que eu considero básica para todos os amantes daquela música boa, antiga e de qualidade, e especialmente para os fãs da British Invasion.

Em 9 volumes, a coletânea British Invasion - History of British Rock tem como finalidade fazer um apanhado geral da Invasão Britânica, originalmente ocorrida apenas entre 1964 e 1966, mas que de tão transcendental, acaba carregando bandas cujo sucesso veio somente na década de 1970.

Este 1º volume traz algumas pérolas musicais com artistas como The Zombies, Swinging Blue Jeans, Peter & Gordon, Gerry & The Pacemakers entre outros. Espero que gostem!


The British Invasion - History Of British Rock (1 of 9)


01. The Kinks - You Really Got Me
02. Gerry & The Pacemakers - How Do You Do It
03. Peter & Gordon - Nobody I Know
04. Freddie & The Dreamers - I'm Telling You Now
05. The Hullaballoos - I'm Gonna Love You Too
06. The Zombies - She's Not There
07. Billy J. Kramer & The Dakotas - Little Children
08. The Fourmost - Hello, Little Girl
09. The Ivy League - Funny How Love Can Be
10. Gerry & The Pacemakers - Don't Let The Sun Catch You Crying
11. Swinging Blue Jeans - Hippy Hippy Shake
12. Adam Faith - It's Alright
13. Billy J. Kramer & The Dakotas - Bad To Me
14. Tommy Quickly - Tip Of My Tongue
15. Chad & Jeremy - Yesterday's Gone
16. The Yardbirds - For Your Love
17. The Honeycombs - Have I The Right
18. The Searchers - Needles and Pins
19. Peter & Gordon - A World Without Love
20. The Rockin' Berries - He's In Town


Vejo vocês amanhã! Mantenham a fé!

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

In my tribe

Ainda nos idos de 2007, a revista Vanity Fair lançou este editorial maluco sobre a moda na tribos. Com todo o exagero que a revista tem direito, acredito que os looks do Mod ficaram absolutamente maravilhosos.

A top model brasileira Carol Trentini fez parte deste editorial. Difícil mesmo é encontrá-la no meio de tantos modelitos extravagantes.

Fotos: Steven Meisel




quarta-feira, 23 de novembro de 2011

And now...um recado dos nossos patrocinadores - Zenith

Da época de ouro em que não era problema algum levantar a bunda do sofá e andar alguns metros para trocar de canal, ou ajustar o volume, se bem que o controle era tão "do ano de 2525" que devia ser um prazer ficar zapeando.

Só o "Shaped like a movie screen" é que devia ser um problemão. Numa época em que os programas de televisão não eram filmados de acordo com as telas de cinema, imagina só ter que assistir ao último capítulo da novela com cortes nas laterais?

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Powder - Biff! Bang! Powder (1996)

Não sei se é falta de conhecimento ou falta de criatividade para nomes de banda (falo isto devido à constante confusão que as pessoas fazem), mas quando se fala em Powder, se fala numa tal banda de britpop da metade da década de 1990. Mas a verdade é que esta banda faz parte da geração norte-americana dos Mods, presentes all over America durante boa parte do tempo entre 1965 e 1967.

Bebendo da fonte de bandas "obscuras" para os norte-americanos na época, como o Pretty Things e Small Faces, os irmãos Tom e Rich Martin eram os precursores da onda modernista nos EUA não só na maneira de se vestirem, como também no som que inauguraram com a The Impressions. Neste meio tempo, Ray Columbus (da Ray Columbus & The Invaders, que inauguraram o modernismo lá na Nova Zelândia) acabou indo parar na ensolarada Califórnia e com os irmãos Martin fundou a The Art Collection.


História vem e vai, Ray Columbus abandonou a banda, voltando para a Nova Zelândia. A banda fez turnê com Sonny e Cher, The Turtles e The Animals e mudou o nome para Powder (literalmente Em Pó). Após uma série de desilusões a banda formada pelos irmãos Martin se desintegra em 1969, deixando uma paulada de músicas boas e obscuras, com influência do Fuzz e do Power Pop. Durante sua meteórica e bombástica vida, a Powder for formada por Richard Martin na guitarras e vocais, Tom Martin no baixo, guitarra e vocais, pelos bateristas Bill Schoppe, Steve Murdoch e Steve Chriest, Ray Columbus nos vocais e Scott Arbulich no baixo e nos vocais.

Powder - Biff! Bang! Powder! (1996)


01. Turn another page
02. Gladly
03. Do I love you
04. Magical Jack
05. I try
06. Ruby red lips
07. Rodeo
08. Grimbley leithc
09. Hate to see her go
10. What the people said
11. Flowers
12. Let's look at the moon
13. Too many miles
14. Turn another page (gold star version)
15. Grimbley lietch (alternate vocal)
16. Magical Jack (backing track)
17. Kick me
18. Snap crackle & pop
19. I go to school
20. So sad about is
21. Morning
22. She's my girl
23. Millicent
24. Bluesy blues blue
25. It's so simple
26. Would you laugh
27. Gypsy girl


Espero que tenham gostado! Mantenham a fé!!

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

And now...um recado dos nossos patrocinadores - AC Delco

Sempre procuro dar uma pesquisada nas marcas e nomes de empresa dos vídeos que posto aqui nas quartas-feiras para não dar uma viajada. E apesar de trabalhar, paralelamente, com peças de carros quase todos os dias não me dei conta de que, na verdade, esta propaganda é da AC Delco, uma das maiores produtoras de baterias automotivas do mundo.

O comercial tem mais de 40 anos, mas sua qualidade é de primeira linha. O apelo, a música, as go-go girls (que naquela época nem sempre eram associadas às casas de meretrizes), a estética...enfim, está tudo perfeito! Mas se não fosse pela marca, jamais me passaria pela cabeça que se trata de baterias de carro.



Big Big Happenings at AC!

terça-feira, 15 de novembro de 2011

NME Mod Magazine

Que tal aproveitar o feriado lendo esta edição especial da NME Magazine? Em 2005, a famosa revista semanal britânica resolveu presentear seus leitores com esta edição especial sobre a Mod Culture.

São mais de 100 páginas recheadas com textos e fotografias da época, contado a história dos Mods desde seu surgimento em 1964 até os dias de hoje. Imperdível!



download

Enjoy! Mantenham a fé!

sábado, 12 de novembro de 2011

Sixties Minute

Com um pé na Swingin' London e o outro pé naquilo que parece ser o "verão do amor" de 1968, o celebrado fotógrafo Patrick Demarchelier é o responsável pelos cliques da lindíssima Angela Lindvall neste editorial batizado de Sixties Minute, publicado na Harper's Bazaar em janeiro deste ano.

Fotos: Patrick Demarchelier












sexta-feira, 11 de novembro de 2011

A história do Wigan Casino

Quando em 1968, Dave Godin, ao notar que em lojas de discos os torcedores do norte da Inglaterra que, eventualmente, estavam em Londres para acompanhar as partidas do seus times, procuravam o som negro produzido pela Motown durante a década de 60, ele cunhou o termo "Northern Soul" sem sequer imaginar as proporções que o "estilo" teria.

A febre tomou conta dos ingleses do norte década de 70 afora, quando a música cheia de balanço, as anfetaminas e os passos de dança ditavam as regras. Entre os inúmeros clubes de Northern Soul da época, um dos mais lembrados com nostalgia certamente é o Wigan Casino.

Wigan mantinha um estilo diferenciado dos outros clubes, tinha uma das melhores pistas de dança, seus djs tocavam as melhores faixas, além da música rolar durante toda a madrugada (por isso, os frequentadores eram chamados de all nighters).

Passados mais de 40 anos desde a febre, Wigan Casino continua lembrado, e o resgate de parte de sua história que durou de 1973 a 1981 é o mote do artigo escrito pelo blog Sabotage Times, para celebrar este clube que certamente era "the heart of the soul".

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

And now...um recado dos nossos patrocinadores - Renown 60's Japanese Commercial

Não tem nada mais anos 60 do que Yeyé e visual Twiggy. Os dois combinados, então, é anos 60 na certa!


E não é por nada não este lance do cotovelo. A possível explicação é que qualquer menina pode usar as roupas, além das peças que podem ser combinadas umas com as outras. E tudo isso pelo cotovelo! Japonês é tão inventivo...

terça-feira, 8 de novembro de 2011

The Pretty Things - The Pretty Things (1964)

Aqui está uma banda que muito bebeu da fonte do blues. Conhecidos como "os primos feios dos Rolling Stones", que aliás contou com o ex-Stone Dick Taylor na formação, The Pretty Things faz um R'n'B de qualidade, apesar dos vocais limpos passarem longe dos guturais e cavernosos vocais dos cantores negros.



Neste primeiro álbum de 1964, a banda contava com Dick Taylor na guitarra, Phill May nos vocais e harmônica, Brian Pendleton na guitarra, John Stax no baixo e Viv Andrews (substituído logo após por Viv Prince) na bateria e conseguiu entre 64 e 65 lançar três hits nas paradas britânicas: Rosalyn, Don't Bring Me Down e Honey, I Need, todas presentes neste álbum de estréia.

A banda é de uma carreira atribulada (conta com quase 20 ex-membros entre mortos e feridos), mas sua importância dentro do rock mundial é tanta, que foi considerada em 2009 "The Britain's Great Lost Band" pelo colunista John Aizlewood.


No ano passado os membros remanescentes Wally Waller, Jon Povey, Skip Alan and Pete Tolson se reuniram em turnê e para gravar o álbum Parachute, comemorativo aos 40 anos de banda.

The Pretty Things - The Pretty Things (1964)


01. Roadrunner
02. Judgment Day
03. 13, Chester Street
04. Big City
05. Uknown Blues
06. Mama, Keep Your Big Mouth Shut
07. Honey, I Need
08. Oh Baby Doll
09. She's Fine, She's Mine
10. Don't Lie To Me
11. The Moon Is Rising
12. Pretty Thing
13. Rosalyn
14. Big Boss Man
15. Don't Bring Me Down
16. We'll Be Together
17. I Can Never Say
18. Get Yourself Home


Espero que tenham gostado! Manhtenham a fé!

sábado, 5 de novembro de 2011

Phil Poynter na Vogue Italia de Agosto

Acabei de encontrar este editorial simplesmente maravilhoso inspirado nos Mods de 1964. Apesar de publicado em agosto na Europa, achei que valia a pena compartilhar com todos vocês. Os cliques são Phil Poynter, já conhecido por sua contribuição com o Vogue Suggestions. Inclusive sugiro vocês darem uma olhada no vídeo de making of do editorial, sugestão do blog Culture Mods.


Fotos: Phil Poynter























quinta-feira, 3 de novembro de 2011

I'm a Mod! - uma história por Brian Duncan


"A primeira vez que eu ouvi menção a MODS foi em setembro de 1979. Não significou nada para mim no momento, mas uns meses depois eu fui ao cinema para assistir "Quadrophenia" com alguns colegas de classe. Parkas, scooters e música dos anos 60, tudo parecia muito exótico e, claro, não demorou muito antes de todos nós virarmos Mods também!"

E assim começa a narrativa de Brian Duncan, adolescente na década de 80 que conta suas aventuras na época efervescente do Mod Revival onde a juventude era pautada por suas roupas, pelas músicas que ouvia e por qual meio de transporte usava para se locomover. Publicada no blog The Centre Front, sua história dentro da subcultura poderia ser mais uma "quadrophênica", de todo jovem que amadurece e acaba se desiludindo, porém, ao mesmo tempo é a prova de que ser um Mod é muito mais do que estilo, roupas e um aspecto exterior, é um estado de espírito que pode ser preservado, não importa a idade.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

And now...um recado dos nossos patrocinadores - Maybelline

Muito antes do slogan "Ela é linda, ela é Maybelline!" esta marca de cosméticos estava na área. Não prometia milagres, como eu vejo muitas marcas fazendo por aí, mas trouxe, de forma elegante, um comercial que visava valorizar um dos pontos altos da maioria das mulheres (que não são os seios, fica a dica para a geral): os olhos.

Para as meninas que como eu gostam de usar o famoso delineador de gatinho, dizem que nesta época os delineadores líquidos eram de fácil remoção, evitando o famoso momento "cara de urso panda" toda vez que removemos a maquiagem.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

The Remains - Barry & The Remains (1966)

Esta banda ficou mais conhecida por abrir os shows da turnê final dos Beatles em 1966 (aquela em que eles resolveram não se apresentar mais ao vivo, para logo após surgirem com o antológico Sgt. Peppers), e acreditem, The Remains era muito mais do que uma banda de apoio!


Os norte-americanos Barry Tashian (guitarra e vocal), Bill Brigs (teclados e vocal), Vern Miller (baixo e vocal), N. D. Smart e Rudolph Damiani (ambos na bateria, porém, em períodos diferentes) eram conhecidos pelo garage rock, porém, o refinamento das faixas é tanto - pelo menos neste álbum - com um quê de British Invasion que se torna impossível associá-los a um som mais sujinho ou mais pesado. Um dos destaques deste álbum fica para a regravação que a banda fez do Bo Diddley e do Willie Dixon, "Diddy Wah Diddy".

O jornalista Mark Kemp, em 2007, afirmou que The Remais era "certamente a melhor banda perdida da America". Sim ou não, no ano passado a banda lançou o single "Monbo Time". E você pode conhecê-los melhor através da página oficial da banda!


The Remains - Barry & The Remais (1966)

01. Why Do I Cry
02. When I Want To Know
03. Ain't That Her
04. All Good Things
05. I'm Talking 'Bout You
06. My Babe
07. Say You're Sorry
08. Baby, I Believe In You
09. You Got A Hard Time Comin'
10. I Can't Get Away From You
11. Me Right Now
12. Time Of Day
13. Once Before
14. But I Ain't Got You
15. Diddy Wah Diddy
16. Mercy, Mercy, Mercy
17. Lonely Weekend
18. Heart
19. Thank You
20. Say You're Sorry
21. Don't Look Back


Espero que tenham gostado! Mantenham a fé!