domingo, 19 de maio de 2013

49 anos da batalha Mod VS Rockers

Quem gosta de estudar a história das subculturas britânicas sabe muito bem da épica batalha dos mods contra os rockers, como o Luiz, nosso blogueiro já escreveu por aqui. E, neste fim-de-semana, lembramos os 49 anos da batalha mais épica acontecida entre rivais.

Em 1964, os dois grupos com suas brigas espalharam pelo litoral inglês aquilo que o sociologista Stanley Cohen passou a chamar de "pânico moral" acerca da juventude britânica da época. O pânico moral pode ser definido como um sentimento, ou sensação compartilhados por um grupo em comum, e que esteja afetando a ordem social na qual este grupo está inserido. Marshall McLuhan, aliás, deu ao termo um tratamento acadêmico no mesmo ano em seu livro Understanding Media. Isto fez com a sociedade passasse a encarar os membros destas subculturas como meros delinquentes juvenis, mesmo com o conhecimento de que conflitos deste tipo aconteciam na Inglaterra, pelo menos, desde a década anterior.


Os rockers viam os mods como magrelas efeminados, enquanto os mods viam os rockers como grosseirões ensebados. Aliás, a briga costumava ser tão feia que, ambos os grupos, tinham o costume de andar armados  com todo o tipo de objeto cortante que possa ser imaginado.


O primeiro grande conflito entre ambos se deu na Páscoa de 1964, quando alguns londrinos foram aproveitar o feriado nacional na costa sulina da Inglaterra. Porém, a briga maior se deu no fim-de-semana dos dias 18 e 19 de maio nas praias de Margate, Broadstairs e Brighton, quando um grupo de mods se deparou com um grupo de rockers nos mesmos lugares. Em um curto período de tempo, uma briga de proporções gigantescas se deu, onde a batalha mais violenta se deu em Brighton, cujo conflito teve dois dias de duração. Apesar da polícia ter isolado e estar protegendo um pequeno grupo de rockers em Brighton, isso não os impediu de terem sido massacrados pelos mods. Talvez pela sua força, ou pelo número de integrantes no grupo.

18 de maio de 1964. Via Old Police Cells Museum
Segunda batalha de Hastings. Via Board Game Geek.


E, apesar de eu desconhecer se houveram feridos graves, ou até mesmo mortos, as brigas foram grandes o suficiente para instaurar um verdadeiro clima de histeria nas publicações da época. Os jornais afirmavam que as lutas tinham tomado proporções desastrosas, declarando ambas as subculturas como os "inimigos internos" do Reino Unido, que estariam "descaracterizando o caráter da nação". Mods e Rockers eram acusados de terem uma grande falta de respeito frente à ordem e às leis, o que estaria gerando toda esta violência, além de passarem a ser ligados com todos os tipos de problemas sociais da época, tais como gravidez na adolescência, contraceptivos, drogadição e violência de todo o tipo.

Via Tumblr


A partir destas publicações (muitas com fundo falso, como entrevistas inventadas feitas com membros dos grupos ou relacionando eventos separados às batalhas), o pânico instaurado foi tão grande e tão massificado que Cohen argumenta que a simples visão de qualquer membro de uma das duas subculturas era o bastante para estimular reações punitivas e hostis. 
A batalha de Brighton está, a princípio, bem retratada em Quadrophenia, inclusive com a cena dos tribunais, que realmente aconteceram e que julgaram os jovens envolvidos.


Tenho grande curiosidade e interesse de, um dia, poder entrevistar alguém (mod ou rocker) que estivesse envolvido nos acontecimentos e que pudesse dar se ponto de vista acerca do momento, talvez trazendo uma nova luz à história de então.

8 comentários:

  1. Post completinho, Penny!
    Fiquei até curioso para ir atrás dos textos teóricos que você citou (ao menos em uma busca superficial, já encontrei o livro "Understanding media").
    Um beijo

    ResponderExcluir
  2. Obrigada. Há a necessidade de algumas correções gramaticais neste texto, às vezes eu me repito muito.
    Sou super entusiasta dos teóricos sobre sociologia e também fiquei bem curiosa. Pretendo (e devo) ler o McLuhan em breve.

    Beijos mil!

    PS: tens alguma sugestão de post para o Moderno?

    ResponderExcluir
  3. Oi Penny, achei seu blog através do site Uarevaa e estou gostando muito das postagens e do material musical disponibilizado, como o Smodati . Apenas complementando a postagem:

    - Os Rockers (também) não gostavam dos Mods pelo uso de drogas que o mesmos faziam. Lembrando que o principal clube/gangue rocker da época era o 59 Club, cujo fundador era padre da igreja anglicana, ou seja uma base conservadora bem forte.

    - O conflito entre Mods e Rockers evoluiu para os Skinheads e Punks respectivamente.

    No mais, excelente post. Bjos

    ResponderExcluir
  4. Olá, pessoa querida!

    Legal que tu ter encontrado meu blog no site do Uarevaa. O pessoal lá é todo ótimo e espero poder contribuir mais vezes com eles.

    Vou por duas partes também:

    - SEMPRE achei que os rockers também fizessem uso de alguma droga lícita ou ilícita. Não tinha ideia de qual clube/gangue rocker era a pincipal até porque nunca tive curiosidade de saber mesmo. Mas, interessante um membro da Igreja Anglicana ser o fundador, porque de conservador não há nada. Mas enfim...

    - Quis me focar somente nos 49 anos nos conflitos entre mods e rockers. Punks e skins são assunto para OUTRO post.

    Mas, obrigada pelos toques. Beijão-ão-ão!

    ResponderExcluir
  5. Eu não vejo problemas, pois gosto do seu texto, Penny!
    Quanto aos escritos teóricos, fico imaginando se há algo especificamente sobre a subcultura Mod. Lembro-me somente de um pequeno livro disponibilizado, se não me engano, pelo André do blog A Cena, chamado "El significado del MOD" de Dick Hebdige.

    No mais, por ora, não tenho nenhuma sugestão.
    Mas, continuo acompanhando.

    Um beijo,

    Mateus.

    ResponderExcluir
  6. Me repito gramaticalmente, sintaxicamente. Sempre digo que quero de presente um dicionário de sinônimos. E por mais que eu corrija os textos antes de postá-los, sempre tem alguma coisa pós-postagem que eu quero mudar.

    Ah sim, conheço bem o André e aquele blogzinho dele.

    Mas, Mateus, obrigada pelo apoio e leituras eventuais. Beijo grandão pra ti.

    ResponderExcluir
  7. Oi Penny, meu nome é Felipe (não aparece no perfil rs)

    Então a fonte que eu utilizei foi o livro Rockers: Kings of the Road http://www.amazon.com/Rockers-Kings-Road-Johnny-Stuart/dp/0859651258

    Quando eu digo conservador, me refiro ao uso recreativo de drogas. Enquanto os Mods eram entusiastas, os Rockers repudiavam.

    Mudando totalmente de assunto, veremos por aqui mais Rock Italiano ala Smodati, ou mais discos do mesmo? =)

    Beijão.

    ResponderExcluir
  8. Felipe querido! Que maravilhosa tua contribuição com este livro! Apesar de não ser lá muito curiosa a respeito da subcultura rocker, gostei do aspecto do livro e acho que pode ser extremamente interessante.

    Fiquei mesmo surpresa em ver este repúdio ao uso de drogas por partes dos rockers. Por realmente desconhecer aspectos profundos deles, por só conhecer o superficial, achei que eles também tivesse esta característica.

    Te confesso que não foi lá muito fácil encontrar este disco do Smodati na primeira vez em que busquei algo deles, mas, por ser uma banda de gurizada, de gente nova, acredito que existam mais trabalhos deles disponíveis na net.

    Mil beijos!

    ResponderExcluir

Mesmo com a moderação de comentários, use seu bom senso. Caro (a) anônimo (a), por favor, identifique-se no comentário!