sexta-feira, 21 de março de 2014

Dica de loja: Genie Vintage

A paulistana Daniella Dias Varges, mais conhecida como Dany Varges, tem 30 anos, e se intitula como uma insistente empreendedora e freelancer nas horas vagas. É ela quem capitaneia o brechó virtual Genie Vintage que tem uma pegada forte nos anos 1960 e que busca exclusividade em cada peça, além de uma excelência no atendimento. Excelência essa, que se reflete no carinho com o qual trata seus clientes. Conheça mais sobre Dany e sobre o Genie Vintage nesta entrevista!



Como surgiu a ideia do brechó? Tu já trabalhava como vendedora ou no mundo da moda?

Sempre gostei de comprar roupas em brechó. Por mais clichê que possa parecer hoje, com tantas pessoas aderindo a ideia, meu gosto veio logo cedo, nos meus 16/17 anos já estava lá fuçando nos famosos "cheios de poeira" do bairro. Lembro-me que não era tão bem visto, a maioria das pessoas que compravam eram pessoas realmente muito  pobres até porque sempre gostei desses bem pulgueiro que você não dá nada por eles e de repente...

Vestido Retrô Black R$ 39,00


Então você se considera uma pessoa "brecholeira"?

Diria que eu voltei a ser. Por um bom tempo só comprava basicamente em brechó. Barato e fora do convencional eu já sabia onde encontrar. Mas tive um bom contato com o mundo da moda. Trabalhei durante 7 anos para uma marca conceituada de lingerie fashion com ares "retrô".

Calça Boca de Sino Vintage R$ 29,00


E como foi essa experiência?

Além de brecholeira também sou mochileira (um pouco parada pela correria da vida - risos) e tive muito contato fazendo uns freelas em Portugal onde morei por 1 ano. Quando voltei, foi um diferencial no currículo e peguei gosto pela coisa toda. Comecei lá como vendedora e saí de lá em setembro de 2013 como gerente. As minhas viagens, a moda e os brechós mundo afora ajudaram-me muito no desenrolar da profissão e na idealização do negócio próprio posteriormente.

Qual é o diferencial da loja?

Quando decidi levar adiante a história de montar um brechó vivia um momento de frustração profissional que me levava ao estresse. Na verdade, levou ao estresse. Fiquei meio perdida, sem saber muito que direção tomar e com aquela "maldita" sensação de relacionamento que já deveria ter terminado e não acabava pelo simples costume?Assim era eu com a marca que trabalhava. Não me achava, e fui parar num psicanalista de tanta frustração e cansaço emocional e, dentre muitas coisas que a então psicanalista me indicou foi : "Ouse! Saia do comodismo! Pense no que você realmente gosta e vá fazê-lo! Você pode se até se frustrar mas ao menos é com aquilo que acredita." Foi o ponto. Parei. Refleti. E ouvia Bowie.

E o que o Bowie te disse?

Jean genie (vintage)

Macacão Psych Black R$ 25,00


Claro!
Lembrei que amava entrar nos bazares empoeirados cheios de relíquias, que adorava pagar barato como todo brechó deveria cobrar. Cores, cores e muitas cores! 

E foi essa "sensação" de encontrar coisas maravilhosas por preços acessíveis que te levou a abrir a loja?

Sim! Queria que as pessoas tivessem a mesma sensação e desmistificar a ideia de que brechó é algo muito empoeirado e de peças de  má qualidade, ou caríssimas devido ao grande "boom" que virou ter alguns usados a venda. Dou ao meu brechó uma cara de loja, como se as peças fossem novas de tão conservadas.
E apesar de seguir um meio termo de peças com uma ideia mais atual, direciono para cortes e cores 60s,
algo incomum,  já que há uma contaminação por peças que remetem a década de 50. Enfim, é isso.


E a partir desta perspectiva, o que os clientes podem esperar acerca da experiência de comprar contigo?

O cliente é surpreendido.Trabalhar no comércio tanto tempo fez-me aprender alguns macetes e perceber a carência em diversos pontos.A idéia do meu brechó é surpreender, desde o conceito 60s nada comum, ao sempre bom atendimento apesar de nem Deus agradar a todos, a experiência de cores que boa parte da época permitiu. Só pra entender um pouco, todas as peças são embaladas em papel de seda com desenhos que lembram papel de parede da época e sempre espirro um pouco de almíscar nas peças que é meio 70s, o que entra no meu conceito de peças com leitura 60/70s, e um mimo (brinde) sempre juntinho. Quero proporcionar a sensação de viagem no tempo.

Mini Bolsa Aveludada Yellow R$ 25,00


Você tem notado um boom ou uma febre em brechós e compra/venda de roupas e acessórios usados? Ou é uma febre pelo vintage?

Sim. Na minha própria experiência como consumidora. Lembro-me de que há 15 anos atrás não era nada comum. O que se achava era incrível e barato. Hoje, com a tal febre vintage deu lugar a alta dos preços mesmo em bazares carentes onde costumo fazer alguns garimpos.

Sapatilha Zebra R$ 35,00


Você vê futuro nesse tipo de comércio?

Sim e muito. Mas não do brechó convencional, aquele que mesmo com peças bem cuidadas faltam personalidade. O futuro é sustentável. A ideia é sustentável. Reaproveita-se, têm-se uma peça única e exclusiva. As pessoas estão cada vez mais exigentes, carentes e procurando oferta ao invés de pagar absurdo. É ai que entra a exclusividade da peça única e fora do convencional para a exigência, o mimo e bom atendimento para a carência de um mundo que te atropela, ao invés de pedir licença para passar e preço baixo, afinal não falta oferta por aí.

E, aí? Gostou? Então acesse http://www.genievintage.com/

Um comentário:

Mesmo com a moderação de comentários, use seu bom senso. Caro (a) anônimo (a), por favor, identifique-se no comentário!