quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Bandas Novas: The Beat Movement

Primeiramente, espero que tenham apreciado o The Spitfires, banda indicada na postagem anterior! Ademais, agradeço a Penny por me convidar a escrever regularmente esta seção “Bandas Novas”. Cheers, gal!

O grupo que trago como sugestão neste mês é o The Beat Movement, vindo diretamente de Greenock, Escócia. Com uma sonoridade, por assim dizer, Raw Beat, com guitarras sujas e fortes bem a frente de tudo e com um vocal grave, que dá uma pitada de soul aos temas. Os quais, ainda que sejam poucos, demonstram o vigor sonoro e criam expectativas positivas para um álbum cheio que, inclusive, está sendo registrado por agora. 


Elencando as informações básicas do conjunto, esse é formado por Mark Maclean (voz e guitarra rítmica), Lyall Mooney (guitarra solo), Chris McEwan (baixo) e Mark Heron (bateria) e tem apenas um EP, o qual fora lançado em novembro de 2012, intitulado “The Warning” (disponível para ser ouvido no Soundcloud), composto pelos temas: “Roll Over”, “The Warning”, “Huhh (Can’t Let You Go)”, “Keep On Keepin’ On” e “I’m Alright” (versão acústica. Uma versão elétrica pode ser ouvida no Reverbnation deles). Indico, inclusive, uma interessante resenha do EP escrita pelo Ian Hall. Versões igualmente fortes, ainda que acústicas dos temas “Huhh (Can’t Let You Go)” e “Keep On Keepin’ On”, se encontram igualmente disponíveis para audição no Reverbnation da banda.


Finalmente, como disse no começo da postagem, os rapazes de Greenock estão preparando um novo registro. Um dos novos temas, “Coming After You”, acaba de ser executado pela primeira vez publicamente na edição de número 34 do Podcast We are the Mods!, programa referência aos amantes da mod culture, apresentado por Warren Peace, Penny Lane (a canadense, não a “nossa”) e Graham Lentz. O link para escutarem é o seguinte: http://wearethemods.podomatic.com/entry/2014-02-07T10_08_18-08_00 (Para quem quiser ir direto ao áudio, basta adiantar para o tempo de 1h17min).

Comentários e sugestões são sempre bem-vindos e até a próxima postagem!

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

A arte skinhead de Felipe Wasserman

Felipe Wasserman, desenha desde criança, e fez da diversão da infância, um hábito para a vida adulta. Atualmente está com projetos engatilhados com bandas e a subcultura skinhead, e nos conta nesta entrevista sobre seu começo, influências e algumas das características de seu trabalho.




Quando começou a desenhar?
Acredito que tenha sido lá pelos cinco ou seis anos, pelo que me lembro. Era uma atividade prazerosa que eu passei a dedicar boa parte do meu tempo.




E o que tu desenhava?
No início eram coisas de criança como dinossauros e heróis. Ainda hoje tenho dois livros com desenhos que eu fazia nessa época. Conforme fui crescendo, os interesses foram mudando, tanto por temas como a técnica que considerava melhor. Mas uma coisa é certa em todos esses anos: desenhar sempre foi um hábito.




Por que tu começou a desenhar? Ou, melhor, então começou como um hobby?
Sim. Muitas vezes também uma necessidade de poder criar algo. Sempre achei fascinante essa coisa da criação, pois há muito contato com o seu subconsciente, sua visão de mundo et cetera.




E o que tu considera como sendo influências para os teus desenhos?
Gosto muito do estilo simples dos quadrinhos. Cresci lendo especialmente os norte-americanos e os japoneses, então costumo procurar um meio termo entre os dois estilos. Gosto da forma simples e prática no qual conseguem enriquecer o cenário, figuras humanas com poucas cores e alguns efeitos.




Quais seriam as maiores características dos teus desenhos e traços?
Gosto de adicionar pequenos detalhes que torne a ilustração mais rica. Ainda sou iniciante nesse ofício, então talvez possa ser observada certa obsessão em balancear sombra e luz.  




E quais os projetos para o futuro? Existe a vontade de expor os desenhos em algum lugar?
Não costumo pensar em expô-los, mas creio que não descartaria essa oportunidade. Ultimamente um dos principais temas tem sido subcultura, então tecnicamente é pra ela que eu tenho “trabalhado”. Pra mim, acho que ainda é um hobby. Fora isso é trabalho. Normalmente adiciono minhas ilustrações no portfólio apenas pra ter a opinião de amigos e de pessoas interessadas nelas.



sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Valentine's Day

É sabido por muitos de nós que na última sexta-feira, dia 14 de fevereiro é o Dia dos Namorados nos Estados Unidos e na Europa, ou, como mais conhecido por lá: Valentine's Day - o Dia de São Valentim - e não encontrei forma melhor de celebrar a data do que com esta postagem especial sobre casamentos.

Não é a primeira vez que falo sobre casamentos aqui no blog. Acho sempre lindo e divertido ver casais que conseguem realizar cerimônias e recepções originais baseados nos temos anos 1960 ou Mod Culture. Tudo o que deixa um cerimonial  menos tradicional e sisudo  é bem vindo, pois se torna um momento único não somente para os noivos, mas para os amigos e convidados.

Que tal conhecer quatro casais que inovaram na hora do sim?

Mod meets Moghul: quando Ocidente e Oriente se unem

É sempre bonito de ver uma uniões inspiradoras como as que veremos a seguir. Como esta, de Aelia e Stuart. Ela, de origem paquistanesa. Ele, um inglês. Ambos são designers gráficos e se uniram num riquíssimo e lindamente decorada festa indiana.



Como um casamento temático intitulado "Mod encontra Moghul [mongol]: um tema baseado na nitidez da Mod Culture juntamente com o glamour e a cor da era do Rajastão na Índia", os noivos hibridizaram parte da cultura mod dos anos 60 com o milenarismo oriental numa cerimônia rica em detalhes e muito colorida!

Fotos por James Melia













Swinging Sixties Sunshine

Kara e Gary escolheram a alegria do radio de sol para a cerimônia inspirada nos anos 1960. Muito amarelo, margaridinhas e discos de vinil rechearam o casamento, que tinha que agradar os noivos em primeiro lugar.



O amor aos Beatles e à cidade de Liverpool também estiveram presente nesta festa temática, que não era rigidamente temática, de acordo com a noiva. Nenhuma formalidade ou tradicionalismos na cerimônia foi o que deixou tudo mais memorável e divertido.









Fotos por Raw Wedding Photography

A London Mod Wedding

Uma recepção num pub parece ter sido o pontapé inicial para a cerimônia de Maddy e Victor. Se a cerimônia foi tradicional,  a saída do noivo da Igreja e a ida ao pub em scooters não poderia ter sido mais mod possível.



Os noivos contaram com a ajuda de um grupo local de vespistas, a New Originals North London Scooter Club, e o tema da festa foi, basicamente, The Kinks, pois o lugar onde a recepção ocorreu foi onde se deu o nascimento da banda.









Fotos por Caro Hutchings Photography

A Very Mod Wedding

Paula e Mark se inspiraram em três coisas: Londres, anos 1960 e Mod. Como um típico casal mod que se conheceu em uma festa recheada de roupas vintage e músicas de época, eles quiseram que a cerimônia fosse algo especial e que os refletissem.



As roupas usadas pela noiva e pelas damas de casamento eram autênticas de época e a inspiração mod estava em todos os lugares. E a recepção foi recheada de tudo que os lembrasse da Mod Culture. 










Fotos por Caught The Light



sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Aniversário Moderno Mundo: 5 anos de Moderno!

No dia 03 de fevereiro de 2009, o primeiro post do Moderno foi ao ar. O que era uma espécie de blog pessoal - tipo um querido diário - de um casal de amigos,  acabou virando o blog sobre Mod Culture que vocês conhecem.



O blog passou por várias mudanças, andanças e altos e baixos nesses cinco anos. Mas, o mais importante foi que nós nunca perdemos a vontade de escrever e de continuar a falar sobre a nossa paixão sobre a Mod Culture.




A evolução dos banners


E, para comemorarmos este 5º aniversário, estamos cheios de novidades! Quer ver?

  • Agora nós contamos com um feed! "Alimentar-se" de postagens novas é sempre bom e muito saudável para aqueles que gostam de novidades, por isso, o feed foi configurado para todos vocês que não gostam de não serem avisados acerca das novas postagens.
  • Peça, e eventualmente, receberás. Muitos sabem da luta que foi para manter a seção de downloads aqui no blog. Manter uma conta em sites de armazenamento de arquivos nem sempre é viável se os downloads não são regulares. A verdade é que os links estão fora do ar porque o custo de tempo e manutenção desses links é extremamente alto. Deste modo, sempre que você quiser baixar algo e o link estiver fora do ar, peça e eventualmente receberás uma re-postagem no blog, com direito à gelo e limão.
  • Gosta de escrever, mas não quer ser blogueiro? Não tem problema! O Moderno deixa aqui um espaço aberto para todos aqueles que, eventualmente, querem contribuir com seus textos. E vale falar sobre tudo, de moda à gastronomia!
  • O mesmo conteúdo, só que mais variado. Depois de todos esses anos é importante levar à sério a fidelidade de vocês, leitores e sempre manter aberta a vasta gama de assuntos abordados aqui. Mas, que tal tentarmos dar mais um tempero? É o que queremos fazer!
  • Atualizações mais constantes. Sim, por que não? É mais do que justo manter uma cota de horas semanais só para o deleite de vocês, não é mesmo?

          Aguardem por mais novidades, ainda nesta era!